Mais do que registro. Conhecimento.

Dicas para o seu negócio

Dicas para o seu negócio

Espionagem Industrial: proteja os dados da empresa com essas 4 dicas

Sabemos que atualmente a falta de segurança é um das maiores preocupações da sociedade, que sofre com a escalada vertiginosa de vários crimes. Mas um alvo está preocupando cada vez mais: os dados que guardamos. E no meio industrial não é nada diferente. É crescente o número de empresas que são vítimas da espionagem industrial que subtraem informações valiosíssimas. Por isso, é muito importante proteger os dados da sua empresa.

Já imaginou construir uma rede de fornecedores com produtos, preços e condições especiais e depois ver toda essa informação nas mãos dos concorrentes? Ou então desenvolver um novo processo de fabricação de determinado produto e descobrir que tudo foi copiado? A construção de toda a engenharia da sua linha de fabricação, o seu sistema de vendas, as suas margens, projetos, planejamento, ou seja,  sendo acessado pelos concorrentes ou criminosos?

Nada disso acontecerá se você tomar as devidas precauções. Neste artigo, você aprenderá 4 dicas de como proteger as informações da sua empresa. Continue lendo para conferir!

1. Treinamento de equipe para evitar a espionagem industrial

Para garantir a segurança dos dados da sua empresa, é preciso construir uma cultura de valorização do conhecimento e, sobretudo, de inovação. Capacitar todo o time para que saibam o que é propriedade intelectual e como ela desempenha um papel fundamental na sociedade do conhecimento é o primeiro passo.

Para isso, recomendo fortemente que busquem materiais ricos, como aqueles disponibilizados pela OMPI – Organização Mundial da Propriedade Industrial. Há muito coisa bacana nesse site. Aqui no nosso blog você também pode encontrar materiais que ajudam nessa jornada de conhecimento.

Todo o time da empresa deve estar envolvido nesse processo de treinamento inicial. Caso você tenha capacidade financeira, a sugestão é a contratação de um treinamento específico e desenhado só para a sua empresa. Diversos advogados especialistas em propriedade intelectual podem ajudá-lo, assim como nosso time.

O próximo passo é capacitar as áreas mais sensíveis da empresa, como aquela que desenvolve novos projetos, conhecida como P&D. Engenharia e Projetos são outras áreas que merecem especial atenção. Alinhe essas áreas com o time de TI, caso não tenha um gestor ou responsável pela segurança da informação.

Mostre para eles como os dados da empresa são importantes, estratégicos e fazem parte do maior patrimônio da empresa, que não podem ser revelados de forma alguma, muitas vezes nem internamente.

Outro ponto importante é preveni-los sobre o cuidado que se deve ter para não transmitir informações em aplicativos como WhatsApp e Facebook. Afinal, a perda do aparelho celular, por exemplo, pode comprometer toda a segurança da empresa.

A maioria das empresas já possui políticas internas que preveem uma série de aspectos da relações com os seus colaboradores, mas é sempre importante destacar questões como sigilo e confidencialidade, que podem ser específicas para cada área. Aqui você entende um pouco mais sobre o que é um termo de confidencialidade e a razão pela qual você deve adotá-lo.

espionagem industrial

2. Segurança do sistema de informática

Um dos meios mais usados para obter de forma ilegal informações secretas  e sigilosas  das empresas é o informático, especialmente através da  internet.  Confira dicas para reduzir as chances de ter seus dados expostos:

Utilize programas atualizados para impedir a espionagem industrial

O uso de programas desatualizados pode causar danos à sua segurança, pois é por meio da atualização que as principais falhas de proteção são sanadas.

Alguns antivírus, por exemplo, costumam ter atualizações semanalmente, ou de mês em mês. Isso indica que falhas são corrigidas regularmente, e novos recursos de segurança são acrescentados.

Se for necessário, não hesite em comprar um programa novo e atualizado.

Tenha profissionais capacitados

É importante fazer uma ampla pesquisa antes de contratar os profissionais de informática, pois há muitas pessoas desqualificadas que poderão comprometer a segurança dos dados da sua empresa.

Pesquise sobre a formação e a experiência das pessoas que irão lhe atender. Além disso, busque conselhos de empresas parceiras, que também contrataram esses profissionais e foram bem atendidas.

Guarde os dados da empresa em local seguro e de extrema importância para evitar espionagem industrial

Hoje, ninguém guarda tudo na cabeça, nem mesmo em papéis. São tantas informações para processar que seria impossível conter tudo isso apenas na memória ou em um meio físico. Logo, é fundamental adquirir um armazenamento de dados que traga segurança para você e a sua empresa.

Uma boa opção é o cloud server, ou computador em nuvem. Ele permitirá que você acesse todos os seus dados em qualquer lugar do mundo, bastando apenas ter um acesso à internet.

Além disso, o armazenamento na nuvem garante mais segurança para você, já que ele é blindado contra ciberataques e realiza backups de forma contínua — enquanto os servidores físicos são mais vulneráveis à vírus e perdas de arquivos.

3. Implantação de um sistema de inteligência

De certa forma, o ato de espionar nos remete ao tempo em que o mundo viveu as guerras mundiais. Nesse período, era comum uma nação mandar espiões para vigiar e roubar os planos de ataque e defesa de outra nação inimiga.

Por isso, com a necessidade de proteger essas informações, surgiu a ideia de implantar um sistema de inteligência que cuidaria para que esses espiões não roubassem dados secretos. Da mesma forma, é importante que a sua empresa crie algo assim para a sua proteção.

Por exemplo, se um ex-funcionário estiver tramando entregar o que sabe para uma concorrente, o sistema de inteligência pode atuar identificando essa pessoa e buscando solucionar o problema.

Esse sistema também pode trabalhar para descobrir se há alguém tentando fazer a espionagem industrial ou subornando algum funcionário para colher dados particulares. Então, depois de realizar esse trabalho de verificação, fica mais fácil tomar eventuais medidas de segurança.

4. Patente de Invenção: Uma arma segura contra a espionagem industrial

Por fim, uma dica importantíssima de segurança é a proteção os ativos intelectuais, por meios de registros ou patentes. Muito do que você desenvolve pode ser patenteado e realizar esse processo é a forma mais segura de garantir que ninguém irá “tascar o que é seu”. Em outras palavras, se alguém copiar você poderá tomar medidas.

Temos alguns materiais bacanas e avançados sobre patentes, mas destacamos algumas informações importantes e objetivas para você:

Use-o desde o começo

Embora muitas empresas tenham essa precaução, a maioria só toma a iniciativa quando o produto já está sendo copiado por concorrentes, o que não é bom e pode gerar intermináveis batalhas na justiça.

Sendo assim, patentear sua invenção deve ser a etapa #1 do seu processo. Garantir exclusividade e usufruir dos benefícios da depende desse passo.

Não o confunda com registro de marca

Outro ponto que gera muitas dúvidas é a confusão entre o significado de registro de marca e proteção da sua patente. As duas providências são importantes para a empresa, mas uma coisa é a marca e outra coisa é a invenção ou modelo de utilidade.

A marca é um sinal que serve para identificar e distinguir. Logo, o registro de marca garante que você tenha direito exclusivo de usar aquele determinado sinal para identificar determinado produto ou serviço.

Já a patente — como foi explicado acima — é a forma de garantir que determinada invenção será utilizada exclusivamente por você. Ou seja, você patenteia um produto ou processo, o que significa que durante determinado período de tempo somente você poderá fabricar algo com aquelas características.

É claro que esse produto novo poder ter uma espécie de nome, ou seja, uma marca que você usará para identificá-lo. Nesse caso, além das características do próprio produto que estarão protegidas, você pode proteger a marca que usará para identificá-lo. Se alguém copiar as características do produto estará violando a sua patente, mas se usar a mesma marca para identificar um produto diferente poderá violar o registro da sua marca.

Enfim, com essas dicas em mente, você terá muito mais tranquilidade e segurança! Agora, depois de conhecer um pouco mais sobre como proteger os dados da empresa, é fundamental que você pratique tudo o que aprendeu.

Então, gostou deste artigo sobre espionagem industrial? Se tiver alguma dúvida ou estiver pronto para proteger a patente da sua empresa, entre em contato com um dos nossos especialistas! Será um prazer lhe ajudar.

Dicas para o seu negócio

Como acelerar a expansão de uma rede de franquias

Um dos segmentos mais fortes no mercado nacional é o de rede de franquias. Uma ida ao shopping e é possível comprovar tal informação. Por isso, várias empresas trabalham com o intuito de entrar no setor e promover uma expansão da rede de franquias.

A modalidade é um dos meios mais seguros para promover o crescimento de um negócio e tornar marcas conhecidas e valorizadas no mercado. Porém, como qualquer outro investimento no mundo corporativo, é preciso obter conhecimento detalhado para evitar e ultrapassar as armadilhas do caminho.

Assim, este artigo discorrerá sobre como o uso de franquias pode ser importante para o crescimento da empresa e apresentará dicas de como fazer isso da maneira correta. Acompanhe a leitura e confira.

A importância da expansão da rede de franquias

Como dito na introdução, entrar para o segmento de franquias pode ser uma das maneiras mais lucrativas para difundir um negócio. Essa estratégia possibilita que uma empresa tenha, em diferentes regiões, uma espécie de filial, com as mesmas características e modelo de trabalho.

Em outras palavras, a franquia pode ser a chance de uma pequena sorveteria localizada numa cidade interiorana se expandir e tornar a sua marca conhecida em todo Brasil — talvez algo muito além do esperado pelos próprios donos quando iniciaram o negócio.

Porém, como qualquer estratégia de investimento, franquear também tem seus riscos. Assim, antes de decidir, o empresário deve entender por completo como funciona esse sistema, além de ter um planejamento para não ser surpreendido.

rede de franquias

A necessidade de conhecer o mercado e planejar

Em primeiro lugar, é preciso ter a certeza de que franquear é a forma mais indicada para a empresa crescer. Existem outros meios de realizar uma expansão, como se unificar a outra empresa, venda de licença de produtos, entre outros.

É necessário uma análise de mercado, saber se a sua marca, produto ou serviço são bem aceitos fora da sua região (bairro, cidade, estado) e avaliar o quanto será necessário para começar uma rede de franquias.

Tendo a convicção e confirmação de que este é o melhor caminho para expandir, você precisará construir um planejamento que lhe dê uma estrutura sólida durante o caminho.

O que considerar no planejamento estratégico da expansão

O planejamento estratégico é o que dará base ao empresário para iniciar o crescimento da marca. No caso da franquia, você pode dividir o planejamento em duas partes.

Custos envolvidos para expandir rede de franquias

Esta etapa do desenvolvimento é quando são analisados os valores que serão necessários para começar a franquia. Você pode considerar gastos como, por exemplo:

Todo e qualquer gasto, do mínimo ao mais relevante, deve constar no planejamento estratégico. Isso será essencial para evitar que, no meio de uma etapa importante, o caixa fique negativo.

Determinar o tipo de expansão

Existem alguns tipos de expansão que você pode considerar para a franquia. Um dos mais utilizados e recomendados é o “crescimento em espiral”. A ideia é que a disseminação da rede inicie com um número reduzido de franqueados nos primeiros 12 meses.

Além disso, prioriza-se a abertura de unidades próximas à loja principal ou, pelo menos, no mesmo mercado de atuação. É uma forma de conseguir estabilidade e segurança financeira antes de se aventurar em desafios maiores.

Como fazer a expansão de rede de franquias

Agora que você já sabe como uma expansão de franquias pode ser lucrativa para o negócio, bem como a necessidade de cautela e planejamento para o sucesso da empreitada, apresentaremos 5 dicas essenciais para você crescer por meio do franchise da forma correta. Acompanhe.

1. Crie um plano de expansão

O plano de expansão é a “cartilha” que os franqueados precisarão seguir para se tornar uma unidade da sua empresa. No documento, você pode ser específico sobre padrões como por exemplo:

  • tipo de fachada;
  • mobílias do local;
  • atendimento;
  • tamanho do estabelecimento.

Além disso, é importante incluir manuais, tipos de treinamentos, além de contratos e outros documentos necessários.

2. Seja criterioso na seleção dos franqueados

Um dos maiores segredos de franquias de sucesso é utilizar critérios na hora de aceitar novos investidores. Esse cuidado é extremamente necessário, pois não basta ter o poderio financeiro, é essencial que o candidato se encaixe no perfil esperado pela empresa.

Por isso, faça questão de conversar com os interessados individualmente, tente não deixar isso nas mãos de terceiros, principalmente no início do negócio. O indicado é que só se feche contrato se o futuro franqueado se comprometer a seguir todas as exigências da cartilha de expansão.

3. Forneça os treinamentos necessários

Por mais que se dedique, um franqueado não consegue repassar as exigências da matriz se não houver a devida preparação. Por isso, tenha os treinamentos preparados e aplique para todos os colaboradores das novas unidades.

É durante os treinamentos que todos poderão entender de forma concreta o padrão e a qualidade exigidos pela empresa. Além das partes teórica e prática, é importante disponibilizar manuais e o procedimento operacional padrão de cada atividade.

4. Ofereça o suporte necessário

É essencial que o franqueado entenda que a empresa principal não faz exigências sem dar apoio. Mostre que a unidade terá todo suporte, a começar pela escolha do ponto comercial, e que essa primeira decisão pode influenciar bastante no sucesso ou não do empreendimento.

Além, é claro, do apoio em treinamento, divulgação, preparação de produtos, entre outros. Tudo para que o investidor tenha segurança e a certeza de que não trabalhará sozinho.

5. Acompanhe as unidades franqueadas

Acompanhar as lojas da franquia é importante para identificar dificuldades e prestar o apoio, mas também é essencial para que o empresário se certifique da correta execução das atividades acordadas e da devida utilização da marca.

Não se limite apenas às visitas, realize auditorias e pesquisas. Estas são estratégias necessárias para identificar falhas e criar um plano de ação para sanar os problemas.

Busque apoio de Especialistas

Essas informações servem para que você tenha ideia geral sobre o sistema de franquias e os principais aspectos que devem ser considerados, mas é fundamental que você busque informação e apoio de especialistas para ajudá-lo nessa jornada.

Existem diversas empresas que podem ajudá-lo a formatar o melhor modelo de franquia para o seu negócio, ajudando na construção de todo o plano e, sobretudo, ajudando a executá-lo.

É claro que você deve se alimentar de informações sobre o mundo das franquias, até mesmo lendo a lei de franquias que é um texto relativamente curto e traz as regras gerais desse tipo de negócio, mas não se esqueça que você precisará da expertise de profissionais com formação específica e, muitas vezes, de orientação multidisciplinar. Serão diversos contratos e mudanças até na sua estrutura societária.

Acelerar o crescimento da empresa por meio da expansão da rede de franquias é uma alternativa viável e que pode trazer um bom retorno financeiro. Porém, é necessário buscar o máximo de informação sobre o segmento e elaborar um planejamento estratégico detalhado para obter sucesso. Aplique as dicas apresentadas e alavanque os resultados de sua empresa.

Quer acelerar sua rede de franquias?

Nós podemos ajudar o seu negócio
Conheça nossas soluções personalizadas
Dicas para o seu negócio

Documentação de processos: como fazer na sua empresa?

O pilar para uma boa gestão estratégica é a padronização de processos. Ao organizar todas as metodologias, realizar a documentação de processos adequadamente e estabelecer critérios globais em um negócio, a produtividade e o fluxo de trabalho melhoram exponencialmente.

Nesse sentido, o primeiro passo para garantir o sucesso de uma estratégia é mapear e registrar cada atividade e medida adotada no desenvolvimento ou criação de um produto. Porém, em decorrência da elevada quantidade de processos no dia a dia essa tarefa pode ser complicada.

A melhor maneira de solucionar tal impasse é estabelecendo padrões na documentação de processos. Quer saber como? Continue acompanhando e descubra como potencializar a eficiência da sua estrutura organizacional!

Conheça um pouco mais sobre a documentação de processos

Um documento de processo é responsável por descrever todas as etapas necessárias para realização de uma tarefa ou processo. Caracteriza-se por uma documentação interna e contínua do processo durante a sua execução. A documentação foca mais em como o processo deve ser implementado do que seus impactos.

O desenvolvimento de um produto ou tecnologia envolve um grupo de processos inter-relacionados e, caso estes processos não estejam devidamente documentados, falhas e erros desnecessários podem acontecer.

As empresas, em geral, possuem processos repetitivos essenciais para o seu devido funcionamento. Por esse motivo, a documentação dos processos serve como um guia para todos os funcionários consultarem e seguirem.

Entenda a importância do mapeamento de processos

A documentação de processos tem a função de um roteiro para a organização, funcionando como uma espécie de guia para que colabora na hora de identificar falhas desnecessárias e apontar possíveis melhorias.

Todas as tarefas realizadas repetidas vezes ou concluídas por mais de uma pessoa devem ser devidamente documentadas. Afinal, é por meio da documentação que o gestor terá maior confiabilidade para organizar e monitorar todas as etapas de um processo.

Ao receber um novo integrante para a sua equipe corporativa, essa mesma documentação irá ajudá-lo a entender melhor as funções na empresa e o desenvolvimento de projetos.

Processos documentados da maneira otimizada facilitam o treinamento e permitem uma integração mais eficaz. Veja, a seguir, um passo a passo para realizar a documentação de processos da sua empresa!

documentação de processos

1. Sempre priorize a cadeia de valor

A principal ferramenta da documentação de processos é a cadeia de valor. Uma cadeia de valor nada mais é do que um grupo de atividades desenvolvidas por uma empresa que abrange desde o contato inicial com investidores e fornecedores até as etapas finais do desenvolvimento de um produto e venda no mercado.

Por isso, essa deve ser sempre a primeira fase de todo projeto de documentação. Quando a cadeia é estudada, compreendida e modelada na forma de um fluxo de atividades, é possível identificar com clareza os produtos e serviços gerados.

2. Não restrinja o foco do trabalho nos departamentos

Uma empresa que não tenha os conceitos da cadeia de valor bem definidos pode estar suscetível a realizar um trabalho de documentação de processos focado em área de trabalho ou departamentos.

No entanto, não é essa a função do mapeamento de processos, ele deve basear-se na cadeia de valor como um todo, mostrando como cada etapa de desenvolvimento contribui para os resultados finais.

3. Compreenda os objetivos do projeto

Outro fator de grande relevância para um mapeamento de processos eficiente é a compreensão acerca dos objetivos do projeto que está sendo executado, como, por exemplo, criar um produto inovador.

Com esse cuidado, os analistas estarão aptos a desenvolver um trabalho voltado para a concretização da meta estabelecida e isso sem comprometer os objetivos globais da empresa.

4. Selecione bons indicadores

A escolha de bons indicadores para medir a eficiência de todas as etapas dos processos é mais um ponto essencial para a sua documentação de processos.

Ao selecionar indicadores que não medem adequadamente os objetivos estipulados, as melhorias podem ser comprometidas, pois estão sendo medidas pelos parâmetros errados.

Utilizando mais uma vez o exemplo citado anteriormente, se o objetivo for desenvolver um produto inovador, você deverá observar, por exemplo, a relação entre o número de pesquisas que são propostas e iniciadas com o número de produtos ou soluções que são efetivamente desenvolvidos.

5. Identifique os componentes dos processos.

Todos os recursos empregados durante o processo (e que colaboram diretamente na transformação das entradas e saídas) são denominados por componentes de processo. Pode se tratar de materiais, energia elétrica, maquinário de diversos portes, recursos humanos, metodologias, tecnologias, entre outros.

Ao identificar todos os componentes dos processos, fica mais fácil encontrar desperdícios e otimizar os pontos que necessitarem de mudança, como seria o caso de uma campanha de publicidade que traz pouco ou nenhum retorno efetivo.

6. Avalie quais melhorias são necessárias

Chegou o momento de avaliar o que está gerando resultado e o que não está no processo. Avalie todas as inconformidades, atrasos nos prazos, desperdícios e gargalos. É importante identificar quais são as atividades mais essenciais para a empresa e, em seguida, otimizá-las ao máximo.

Vale lembrar que os processos que envolvem contato direto com os investidores devem ser priorizados. Isso porque, ao garantir a melhor experiência e a satisfação dos seus clientes, fica cada vez mais fácil fidelizar os que já utilizam os seus serviços e produtos, ao mesmo tempo em que novos consumidores são atraídos.

Caso você esteja procurando novos investidores para o desenvolvimento de uma nova tecnologia, por exemplo, deverá avaliar quais abordagens surtem efeitos melhores, quais devem ser descartadas e quais precisam de readaptações.

7. Organize reuniões

É função do gestor organizar reuniões para o desenho e elaboração do mapeamento dos processos. Lembre-se de reunir os colaboradores que realmente trabalhem e façam parte dos processos analisados.

Nessas reuniões, todos os avanços deverão ser discutidos e registrados, bem como deverão ser definidas estratégias para correção dos gargalos.

Principais erros na elaboração de mapeamento de processos

Mapear os processos errados

Cada tipo de processo executado necessita de um mapeamento adequado, o que envolve metodologias apropriadas ao planejamento anteriormente executado.

No entanto, o método de mapeamento de processos deve focar-se em processos de grande importância para a empresa, pois do contrário pode gerar desperdícios de tempo. O ideal é que você procure sempre dispor de bancos de dados seguros e consistentes que forneçam suporte para o desenvolvimento dos seus produtos.

Não manter o foco na documentação de processos

Muitos gestores focam todo o entusiasmo no começo da implantação do mapeamento de processos. Entretanto, nos meses seguintes, pouco a pouco vão abandonando as práticas.

Vale lembrar que as novas práticas adquiridas por meio desse método necessitam de constância para continuar a gerar bons resultados. Pensando nisso, procure sempre motivar a equipe a continuar seguindo o mapeamento de processos.

Priorizar a elaboração do mapeamento, mas não colocar em prática

Outro erro bastante comum é: gestores que acabam focando apenas na criação dos mapas de processo, esquecendo que o objetivo principal dessa ferramenta é otimizar todas as etapas dos processos produtivos da empresa.

É imprescindível utilizar os dados e informações gerados pela documentação para entender melhor o negócio, ou seja: colocar as novas práticas em funcionamento é o que garantirá resultados.

Solucionamos todas as suas dúvidas sobre documentação de processos e eficiência estratégica? Aproveite para assinar a nossa newsletter e receber vários outros conteúdos como este!

Dicas para o seu negócio

Como captar investidores para sua startup

Ao iniciar uma startup, um dos momentos mais importantes é captar investidores​, pois os recursos responsáveis por transformar as ideias em algo concreto. Para isso, é necessário possuir boas estratégias e planejamentos para unir novas ideias e investidores interessados em negócios com potencial para alcançar sucesso. Quer saber como captar os investidores certos para sua startup? Descubra agora!

Conheça bem o negócio da startup

Primeiramente, para que a startup​ tenha as mínimas condições de realmente atrair investidores e sair do papel, é necessário conhecer e dominar o negócio. Para isso, você precisa estar ciente da necessidade de realizar algumas “lições de casa”:

  • pesquisar o mercado de atuação da startup;
  • conversar com o público-alvo em potencial;
  • testar suas ideias por meio de projetos pilotos ou protótipos de produtos;
  • aprender sobre os diferentes tipos de investidores.

Após se certificar de cumprir essas etapas de preparação, ficará mais fácil identificar qual é o método de captação de recursos mais adequado para o seu tipo de negócio. Além disso, procure responder alguns questionamentos essenciais antes mesmo de levar o negócio adiante, como:

  • “Essa é uma solução inovadora no mercado?”
  • “O negócio tem condições de entregar algum diferencial ou valor único para o cliente?”
  • “Por que ninguém realizou essa ideia anteriormente?”

Se você consegue responder a essas perguntas com clareza e convicção, é hora de dar o próximo passo.

Elabore um plano de negócios para startup

O plano de negócios serve como um mapeamento para a sua ​startup​, tornando o investimento mais seguro e aumentando as chances de sucesso da empresa. Basicamente, o plano de negócios vai auxiliar na definição de estratégias em longo prazo a partir de uma análise de mercado, incluindo a possível demanda e a aceitação do produto ou serviço. É composto por alguns itens imprescindíveis, como:

  • descrição dos produtos e serviços ofertados, bem como seu fluxo de produção, ciclo de vida, tecnologia envolvida, marca ou patente;
  • análise de mercado com foco no público consumidor, segmentos de atuação, análise da concorrência, participação no mercado e risco do negócio;
  • planejamento de marketing que abranja os canais de oferta e distribuição do produto ou serviço, diferenciais da marca, política de preços, método de promoção e publicidade;
  • planejamento financeiro que contenha projeções de necessidade de capital e seus propósitos, fluxo de caixa, demonstrativo de resultados, balanço patrimonial, lucratividade prevista e prazo de retorno sobre o investimento.

A partir disso, fica mais simples apresentar o propósito da sua startup​ e mostrar ao investidor que existe um embasamento por trás da ideia de negócio. Isso nos leva ao próximo item.

Venda a ideia da ​startup

O primeiro passo para atingir sucesso na venda da sua ideia é a preparação. Para isso, você precisa se certificar de que o plano de negócios ou mesmo o projeto esteja maduro. O segredo é inspirar confiança em quem vai investir na startup​. Porém, para que dê certo, a primeira pessoa a confiar no que está sendo exposto é você mesmo.

Uma opção para substituir o plano de negócios por algo mais enxuto é elaborar um modelo de negócio em que constarão as informações mais relevantes de forma resumida. Confira algumas informações que podem ser abordadas:

  • atividade;
  • oferta de valor;
  • recursos necessários;
  • parcerias;
  • segmentos de atuação e público-alvo;
  • canais de comunicação e distribuição;
  • custos;
  • fontes de receita.

Com essas informações em mãos, basta que você apresente ao potencial investidor algo que é chamado de pitch​, ou seja, um discurso curto, objetivo e claro sobre a startup. Como? Você pode seguir esses passos:

1. comece apresentando a oportunidade percebida no mercado de atuação, assim o investidor pode perceber a ideia como algo relevante e com chances de dar certo;
2.exponha alguns dados do mercado e discorra sobre eles. Demonstre domínio e até mesmo oportunidades futuras de expansão;
3.proponha a solução que você está oferecendo ao mercado, mas faça isso de forma enfática, afinal, esse é o momento de conquistar o investidor;
4.indique seus diferenciais e as razões pelas quais ninguém poderá oferecer o mesmo que você no seu mercado de atuação. É preciso mostrar ao investidor que a sua ​startup​ é realmente competitiva;
5.proponha suas condições incluindo o estágio em que o seu negócio está, o valor do investimento necessário e como ele será utilizado.

O próximo passo é saber qual é o investidor ideal para a sua startup​.

​Saiba diferenciar os tipos de investidores

Conseguir dinheiro é mesmo uma fase bastante delicada na criação de uma startup​. Porém, se você procurar pelas pessoas certas, é possível aumentar as chances de unir o desejo de investir recursos à necessidade de capital para alavancar o seu negócio. Conheça agora os diferentes tipos de investidores:

Investidor-anjo

Imagine alguém que acredita na sua ideia a ponto de injetar recursos mesmo em fase inicial e ainda atua junto a você para crescer e obter um retorno mais rápido sobre o investimento. Essa pessoa é o investidor-anjo.

É comum que esse tipo de investidor se posicione como um mentor do negócio e até dê alguns insights​ sobre gestão. Ainda assim, você terá controle sobre a rotina do negócio. Porém, para conquistá-lo será preciso demonstrar domínio ao apresentar o pitch​ e se certificar de que o investidor se interessa pelo seu ramo de atuação.

Venture capital

É uma classificação que reúne os investidores de risco. Geralmente procuram por projetos mais maduros, mas que ainda demandam recursos para expandir seu potencial e atingir alta lucratividade.

A diferença aqui é que o investidor passa a compartilhar a gestão com o empreendedor, tornando-se um cotista. Assim, é possível que ele traga gerentes e outros profissionais que podem ocupar cargos estratégicos no empreendimento. Assim que o resgate do investimento é feito, as cotas voltam a pertencer ao empreendedor.

Aceleradoras e incubadoras

Uma forma de captar recursos é por meio das incubadoras, que oferecem recursos financeiros e infraestrutura básica, como:

  • local de trabalho;
  • suporte técnico;
  • apoio gerencial;
  • acesso a tecnologias;
  • formação complementar ao empreendedor.

As incubadoras geralmente são mantidas por universidades ou iniciativas governamentais que visam impulsionar os negócios ou vender tecnologias emergentes até que as empresas consigam seguir sozinhas.

Outro meio parecido são as aceleradoras, porém, estas são mantidas por fundos de investimentos privados. Os prazos de seus programas são mais curtos e focam em equipes pequenas.

Sócio investidor da startup

Esse tipo de investidor se assemelha ao investidor de risco, porém, ele não visa um crescimento acelerado nem tão alto, mas um comprometimento com o negócio e sua gestão. Nesse caso, o sócio investidor tem grande parte da responsabilidade sobre o negócio. Por isso, é preciso ter cuidado e escolher com calma quem fará parte desse empreendimento. É um bom investidor para quem precisa de capital e apoio na gestão.

Lembre-se de que não se trata apenas de uma forma de levantar recursos, mas também de administrar a startup​!

Gostou do conteúdo? Agora que você já sabe como captar investidores para startup​, que tal curtir a nossa página do Facebook e ficar de olho em todas as novidades? Aproveite e também baixe o nosso material gratuito Guia Completo para Startups.

 

Guia completo para Startups
Baixe este material gratuitamente.
[/vc_column][/vc_row]

Dicas para o seu negócio

Perfil inovador: você nasce com ele ou aprende a ser um?

Quem tem uma empresa precisa sempre manter o seu negócio crescendo e estar sempre atento a como inovar. Uma das melhores formas de fazer isso é por meio do desenvolvimento de novos produtos e/ou serviços. E isso só é possível com uma boa dose de criatividade e perfil inovador.

Para algumas pessoas o perfil inovador é natural; já nasce com elas. Mas mesmo quem não foi privilegiado pela genética com essa característica pode adquirir ao longo da vida algumas habilidades e ser um inovador.

No post de hoje, vamos mostrar as qualidades de uma pessoa inovadora e o que você pode fazer para desenvolver essas características. Confira!

O perfil inovador

Inovar é, antes de tudo, ter uma postura diferenciada diante do mundo. É lançar um olhar atento e questionador à nossa volta, buscando sempre novas oportunidades e soluções para os problemas que se apresentam. Só inova quem:

  • desenvolve um trabalho focado no que as pessoas buscam e precisam;
  • se antecipa às tendências e pensa no que ainda não existe no mercado;
  • procura melhorar ou buscar uma nova forma de apresentar um produto ou serviço já criado;
  • sonha com algo novo e ousado;
  • arrisca, ou seja, acredita e tem coragem para bancar seu sonho;
  • desenvolve a criatividade, pois essa característica está diretamente ligada à criatividade; ambas caminham juntas.

Como inovar

Todo mundo pode desenvolver o perfil inovador. A ideia de que a inovação é um privilégio de apenas algumas pessoas que nascem com essa habilidade é um mito.

Mudando alguns hábitos e adotando novas condutas é possível desenvolver esse perfil. Veja só!

perfil inovador

Amplie seus conhecimentos

Mesmo que você já tenha formação em uma determinada área do conhecimento, é preciso continuar aprendendo.

Por isso, mantenha-se sempre atualizado sobre as mudanças do seu mercado e busque também ler materiais sobre outros temas, que podem se relacionar e influenciar o seu negócio.

Com mais conhecimentos, você será capaz de ampliar sua visão sobre o mundo, o mercado e seus processos podendo, assim, inovar.

Conecte-se com o seu público

A busca pela solução para preencher uma lacuna no mercado começa pela percepção do problema.

É só conhecendo e entendendo bem quais são as necessidades e desejos das pessoas atendidas pelo seu negócio que você vai conseguir fazer uma inovação.

Raciocine de forma estratégica

Depois de analisar as demandas do seu público, comece a pensar como supri-las. Pense de que forma vai conseguir realmente resolver o problema e trace estratégicas para alcançar um resultado eficiente.

Seja persistente

A maioria das ideias não vai dar certo logo na primeira tentativa. É preciso se dedicar bastante para que ela possa sair do papel e gerar benefícios para a sociedade.

Pesquise para embasar e estruturar melhor suas ideias e faça um planejamento para ir amadurecendo os projetos aos poucos.

Aja como um verdadeiro líder

Assuma a responsabilidade pelo processo de inovação na sua empresa e busque engajar pessoas que vão ajudá-lo a colocar as boas ideias em prática.

Pense diferente e questione o tempo todo

Em um mundo que está sempre mudando, só consegue se manter competitivo quem inova. E para isso é preciso se abrir às transformações e fugir da mesmice. Afinal, os paradigmas existem para serem quebrados, não é verdade?

A importância da inovação

Hoje em dia, cada vez mais pessoas estão empreendendo e ampliando a oferta de produtos e serviços exclusivos para o consumidor, o que torna o mercado extremamente competitivo.

Diante desse cenário, a capacidade de inovação dos empresários deixa de ser apenas uma habilidade e passa a ser uma condição para existir e se manter vivo e forte.

Com tantas ideias novas proliferando, os negócios inovadores têm a capacidade de gerar benefícios para a sociedade que vão ajudar a transformar e mudar o mundo para melhor.

Viu como é possível, no seu dia a dia, trabalhar algumas habilidades para desenvolver um perfil inovador? Você pode e deve adquirir essas características para contribuir com o crescimento do seu negócio. Agora continue navegando pelo blog e entenda um pouco mais quais são os riscos de empreender.

Para te ajudar ainda mais
BAIXE AGORA MESMO GRATUITAMENTE NOSSO E-BOOK!

Como implementar a gestão da inovacão na sua empresa.
Dicas para o seu negócio

Riscos de empreender: quais os principais cuidados a se tomar e como evitar problemas

Os motivos que levam uma pessoa a empreender são inúmeros: é possível que seja um projeto antigo que esteja saindo do papel, também existe a chance de ter formalizado sua atividade em função da necessidade de emissão de notas fiscal, ou mesmo como uma alternativa de retorno ao mercado de trabalho, dessa vez como dono do próprio negócio. A verdade é que, independentemente das razões que impulsionaram o início de uma jornada empreendedora, é importante sempre estar atento aos principais riscos de ser um dono de empresa.

É essencial estar preparado para os desafios que estão por vir, tanto no começo do negócio, como depois, quando já estiver em um momento mais estável. Muitos entendem que os riscos estão apenas no início da empresa. Realmente, existe um período teoricamente bastante instável no começo, mas os principais riscos de empreender estão espalhados por toda linha da vida da empresa. Cada momento tem o seu motivo de atenção e preocupação. Leia este post para entender os cuidados que você deve ter ao ser o dono do próprio negócio.

O que considerar na hora de decidir por empreender

Tomar a decisão por empreender não é um passo fácil para se dar. É necessário ter coragem e estar disposto a correr alguns riscos. Mas antes de pensar nisso, é importante saber o que considerar para não errar na hora de tomar essa atitude. Ou, pelo menos, analisar os cenários para diminuir os possíveis riscos. Alguns dos pontos são:

Identificar se há perfil empreendedor
Diminuir os riscos é possível, mas eles sempre vão existir. Portanto, deve-se analisar se há um perfil empreendedor por trás de quem está empreendendo. Ou seja, se a pessoa que vai ser dona do próprio negócio tem as características principais de um empreendedor de sucesso. Seja honesto consigo mesmo nessa análise. Isso é essencial para evitar possíveis frustrações.

Analisar o momento do mercado
Você já analisou como está o mercado dentro do qual sua empresa estará inserida? Identificou seu público-alvo e o que tipo de solução ele está buscando no momento? Deu uma estudada nos seus futuros concorrentes e verificou suas estratégias? Tudo isso é muito importante que se faça antes de começar o próprio negócio. Faz parte da preparação prévia para os desafios.

Fazer um planejamento financeiro
Talvez esse seja um dos pontos principais deste período pré-jornada empreendedora. Esteja preparado para os custos iniciais do negócio e também para uma quantia pensando na manutenção dos primeiros meses da empresa, enquanto ela ainda não obtiver lucro. É normal investir sem retorno no começo, portanto é necessário estar preparado para isso.

Quais são os riscos de empreender?

Indo bem direto ao assunto e não fugindo muito do quase óbvio, o maior risco de empreender é o negócio não dar certo e se perder dinheiro. Não por acaso, é esse também o grande medo dos novos empreendedores. É por isso que é tão importante fazer um planejamento financeiro e estar atento às mudanças do mercado.

Outro risco quase inevitável é a falta de tempo. Você acha que sua vida é corrida? Então é porque ainda nunca empreendeu. O dia a dia do mundo corporativo é frenético. Serão reuniões, treinamentos, parcerias, buscas por investimentos, desenvolvimento de ferramentas, entre muitas outras coisas que vão aniquilar seu tempo livre. Ah, e se não estiver acontecendo nada disso, é bom estranhar porque tem algo errado. Essa é a rotina natural.

Também deve-se considerar um risco de se perder tempo. E não confundir com a falta de tempo já citada. Aqui estamos nos referindo a perder o período que se está investindo no negócio. Esse é um risco menos preocupante se você conseguir tirar aprendizados e lições de suas experiências, e quase sempre se consegue. Mas, para isso, é bom estar atento aos ensinamentos que tudo irá lhe proporcionar.

Alguns cuidados que devem ser tomados

Para encarar essa rotina a mil por hora, não menospreze alguns cuidados essenciais que você deverá tomar, pensando em vários aspectos da sua vida, sejam eles pessoais ou profissionais.

Saúde

Cuidado com a saúde. Isso envolve o lado psicológico em função do alto nível de estresse no qual avocê poderá estar inserido. E também está relacionado com o aspecto físico, por causa do possível sedentarismo por causa da falta de tempo para praticar atividades e esportes. Procure reservar um tempo para a prática de exercícios físicos.

Lazer

Não abandone seus momentos de lazer. É claro que na hora de priorizar essa ou aquela atividade, você irá tender a dar preferência para a sua empresa, o que não é errado. Mas procure gerenciar seu tempo para que seja possível manter esse lado ativo. E isso também falando de família e amigos. Será saudável para você.

Alimentação

É outra preocupação que se deve ter. Está relacionada com a saúde, mas merece um capítulo à parte. Na correria do dia a dia, é normal uma alimentação correta ficar em segundo plano. Refeições rápida, muitas vezes calóricas e pouco nutritivas tendem a se tornarem cada vez mais comuns. Isso deve ser controlado desde cedo para não ter consequências perigosas.

Quais são as responsabilidades do dono de um negócio?

Realmente são muitas as responsabilidades. Mas nada que boas doses de preparo, organização e informação não ajudem a resolver. Então vamos entender quais são algumas das principais responsabilidades de um dono de empresa.
Para começar, é necessário que a empresa esteja regularmente inscrita nos órgãos competentes. A pessoa jurídica precisa estar devidamente constituída através da emissão do CNPJ, deve ter inscrição municipal, alvará e contrato social (ou requerimento de empresário) autenticado pela Junta Comercial.

Uma das mais importantes responsabilidades sobre a qual o dono da empresa precisa estar atento é quanto à emissão de notas fiscais. Faturar sem emitir notas fiscais pode configurar o crime de sonegação e obviamente as consequências negativas para a empresa podem ser enormes.

O empresário também precisa estar antenado com as obrigações trabalhistas relacionadas à admissão e demissão de colaboradores. A recomendação é que todos os empregados sejam registrados no regime CLT, dentro do qual incidem mensalmente o INSS e o FGTS.

No cenário fiscal e contábil, também há obrigações da empresa, sobretudo com relação às informações que devem ser periodicamente declaradas ao governo. Algumas delas são o SPED Contábil, o SPED Fiscal e a DIRF (Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte).

As vantagens de empreender

Como vimos, realmente abrir uma empresa não é uma decisão fácil. Existem muitos riscos e possíveis percalços no meio do caminho. Logo, há de se tomar alguns cuidados e deve-se estar preparado para os desafios que vêm pela frente. Mas, como todo risco quase sempre traz consigo uma recompensa, também há o outro lado da moeda. Existem muitas vantagens em empreender.

Além da própria formalização da empresa e o consequente maior profissionalismo que é dado ao negócio, atuando como pessoa jurídica, em nome da empresa, é possível comprar carros com desconto, pagar muito mais barato na contratação de planos de telefonia celular e planos de saúde, maior facilidade para comprovação de renda, o que impacta na possível compra de imóveis e na obtenção de vistos, entre outros benefícios.

Conte com um apoio especializado

Para tudo isso ser feito da forma mais correta e profissional possível, é altamente recomendado que se conte com uma ajuda especializada para este momento tão importante. Existe uma série de áreas com as quais deve se ter atenção em cada momento da jornada empreendedora.

Mas, para começar, é essencial contar com uma assessoria jurídica e uma consultoria contábil para se certificar de que se está fazendo a escolha mais correta com relação ao formato jurídico, o porte da empresa e o regime tributário.

A Conube é um Escritório de Contabilidade Online criado sob medida para quem quer abrir empresa ou quem já tem empresa aberta e quer praticidade e tranquilidade para o seu dia a dia. Com a Conube, você emite notas fiscais, acompanha as atividades fiscais e trabalhistas da sua empresa através de uma linha do tempo, gerencia o calendário para pagamento de impostos e tudo com o suporte de experientes contadores. Controle tudo pela internet de forma simples, rápida e interativa.

Dicas para o seu negócio

Espionagem industrial: confira como se proteger

Na era do conhecimento, a informação tem valor preponderante e constitui uma das principais variáveis do poder. Por outro lado, a elevada competitividade em alguns setores da economia cria um campo fértil para a proliferação de práticas sem qualquer ética e, muitas vezes, de natureza criminal.

Dessa forma, vê-se crescer o exercício da espionagem industrial entre as empresas. No Brasil, ainda não é cultura corrente a adoção de medidas efetivas contra as ações de espionagem, com exceção de grandes empresas.

No entanto, as facilidades tecnológicas permitem acessos remotos às redes dos descuidados. As perdas, desse modo, podem ser significativas.

Acompanhe o post e confira como se proteger da espionagem industrial.

O que é espionagem industrial?

A espionagem industrial é um conjunto de ações cujo objetivo é obter informações confidenciais e sigilosas sem a autorização dos detentores dessas informações. Podem ser informações comerciais ou segredos industriais, um novo projeto ou mesmo uma estratégia a ser colocada em ação.

Quase sempre o fim a que se destina é a obtenção de uma vantagem comercial, cujo uso desleal é promovido pelo competidor. No entanto, a concepção de espionagem industrial tem se expandido. Dessa forma, tem alcançado, por exemplo, iniciativas de sabotagem industrial com o uso de programas desenvolvidos para esse fim (spyware, malware e outros).

Assim, trata-se de obter, de modo irregular, informação confidencial de uma empresa — inclusive aquela abarcada pela sua propriedade intelectual, ainda que não passível de registro (o que não significa que não seja protegida) — com o fim de favorecer um ou mais concorrentes.

A espionagem industrial pode implicar em uma série de condutas consideradas crime no Brasil, sujeitando assim aqueles que estejam de alguma formula vinculados com essas atividades a pena de prisão.

A depender da “estratégia” do espião, podemos falar em crimes como os chamados crimes cibernéticos ou  digitais (tecnicamente crimes informáticos), estelionato, corrupção (ainda não há entre nós a chamada corrupção entre particulares, mas apenas envolvendo órgão públicos), associação criminosa e por ai vai…

Aliás, não podemos esquecer do crime de concorrência desleal, previsto na Lei N. 9.279, de 14 de maio de 1996, conhecida como “Lei da Propriedade Industrial”, que é justamente um dos que está mis intrinsicamente conectado com essa atividade.

Como pode ocorrer?

A espionagem industrial nos tempos modernos encontra na tecnologia sua maior parceira, mas também seu maior obstáculo. Os ataques cibernéticos, por um lado, e por outro, um simples pen drive, constituem as formas mais comuns de obtenção de dados confidenciais.

De modo geral, as diversas abordagens utilizadas para praticas atos de espionagem industrial podem ser assim relacionadas:

  • intrusão de redes corporativas (“ataque cibernético”);
  • escuta telefônica (“grampo telefônico”);
  • escuta ambiental (“grampo na sala”);
  • suborno de funcionários com acesso;
  • espionagem fotográfica;
  • interceptação de correspondência;
  • análise de resíduos administrativos (“lixo de escritório”);

 

Por sua vez, as informações mais comuns que podem ser consideradas segredos industriais e, dessa forma, alvo da espionagem, são:

  • relação de clientes;
  • relação de fornecedores;
  • documentos contábeis;
  • manuais técnicos;
  • especificações de produtos;
  • nova invenção;
  • novos projetos;
  • know-how;
  • estratégias de marketing;
  • estratégias comerciais.

 

Como se proteger dela?

A própria tecnologia que facilita o cometimento de muitos crimes também é a grande aliada para evitá-los. Por outro lado, também algumas medidas administrativas podem atuar como ações preventivas contra a espionagem industrial.

Uma consultoria especializada pode ser a melhor forma de se organizar e se estruturar com vistas à segurança de dados contra as ações de espionagem industrial, bem como a elaboração de um programa de compliance que também aborde aspectos criminais.

De todo modo, são considerados instrumentos preventivos essenciais:

  • registro de marca;
  • registro de patente;
  • registro de desenho industrial;
  • elaboração e adoção de uma política interna de segurança da informação;
  • adoção de termo de confidencialidade pelos colaboradores, fornecedores e demais pessoas que tenham acesso à informação confidencial que se quer privilegiar;
  • treinamento permanente desses colaboradores e fornecedores;
  • treinamento das equipes de pesquisa & desenvolvimento (P&D);
  • adoção de tecnologias de segurança da informação;
  • implantação de rotinas de segurança da informação, sobretudo na utilização da rede corporativa;
  • verificação permanente pela equipe de segurança da informação da possível existência de falhas no sistema.

 

Dessa forma, a gestão da segurança da informação pode estar melhor orientada para o cumprimento de sua missão.

Conheça agora as principais diferenças entre registro de marcas e registro de patentes.

Dicas para o seu negócio

5 dicas para equilibrar a vida pessoal e profissional

Misturar a vida pessoal da profissional pode trazer muito desgaste para a qualidade de vida, mas são poucas as pessoas que conseguem conciliar e separar esses dois ambientes. Devido a isso, o perfil profissional atual vem se desenvolvendo nesse sentido: pessoas procurando por uma flexibilidade do lado profissional para que projetos pessoais possam ser alcançados de maneira sadia.

Pensando nisso, a gente decidiu trazer algumas dicas para sua vida pessoal e profissional estejam em harmonia. Acompanhe!

1. Gerencie seu tempo no trabalho

A má gestão do tempo é um dos erros mais comuns atualmente e acaba afetando diretamente na sua qualidade de vida. Uma boa saída é planejar seu dia e tentar cumprir dentro dos limites o que foi definido. Um cronograma torna todo plano de tarefas mais simples, te permitindo acompanhar e realizar suas atribuições da maneira mais estratégica possível.

É interessante lembrar que, muitas das vezes, nos perdemos com tarefas adicionais, distrações e a comum procrastinação. Evite perder o foco central e não deixe que interrupções atrapalhem o seu fluxo de trabalho! Um telefone apitando, notificações desnecessárias de redes sociais e outras práticas costumeiras podem te atrasar, então se mantenha atento!

2. Estabeleça prioridades

Muitas vezes ficamos focados demais no trabalho e esquecemos quais são as nossas prioridades. Siga sua agenda de compromissos, mas não se torne um escravo de seu trabalho.

Lembre-se que o descanso e a vida pessoal são peças importantes para motivar qualquer pessoa.

3. Saiba dizer não

Se uma atividade não cabe na sua agenda, diga não e explique o porquê disso, seguindo seu cronograma de tarefas e horários. Se atarefar demais pode trazer desgastes e afetar diretamente seus projetos, tanto dentro quanto fora da empresa.

É importante definir suas prioridades e traçar meios de como alcança-las da maneira mais harmoniosa com seu serviço.

4. Aproveite seu descanso

Um tempo livre deve ser bem aproveitado da sua melhor maneira, seja vendo séries, saindo com a família, se exercitando, etc. Como é um período para aproveitar a vida pessoal, evite checar e-mails, falar com clientes ou usar a internet para trabalhar

Saber separar o ambiente de trabalho é importante para criar um clima saudável e relaxante, então aproveite sabiamente!

5. Se prepare para o dia seguinte

Uma boa noite de sono te ajuda a regenerar a energia para o próximo dia, se atente! Manter uma alimentação saudável, meditar ou fazer algum exercício de relaxamento são boas práticas para preparar o corpo e a mente para o novo dia, melhorando sua produtividade no trabalho e o bem-estar tanto no ambiente profissional quanto no pessoal.

Ter um bom planejamento do seu dia a dia são práticas que podem de ajudar melhorar a qualidade sua de vida. Lembre-se que os efeitos refletem em todos os âmbitos do seu cotidiano, trazendo uma melhor relação com seus companheiros de trabalho, assim como com sua família e amigos.

Você costuma fazer algo para equilibrar a vida pessoal e profissional? Gostou do nosso artigo? Curta a nossa página no Facebook e fique por dentro de várias outras dicas de como se tornar um empresário de sucesso!

Dicas para o seu negócio

Longevidade e perenidade empresarial: qual é a diferença?

A longevidade e perenidade empresarial são dois conceitos que fazem parte dos sonhos e objetivos de muitos empreendedores e organizações. Afinal, fundar uma entidade que perpasse gerações gerando valor e se mantendo ativa é um dos maiores sinais de sucesso corporativo e realização profissional.

Todavia, para que isso seja possível, é necessário muito trabalho, persistência e paciência, superando obstáculos como crises, mudanças no perfil do consumidor, novas tecnologias, concorrência etc.

A seguir separamos alguns dos pontos essenciais para que a organização se mantenha relevante para seus consumidores ao longo do tempo, podendo garantir sua longevidade e perenidade empresarial. Porém, antes de conferi-los, entenda melhor a diferença entre esses dois termos:

Qual a diferença entre longevidade e perenidade empresarial?

Longevidade tem a ver com a medida de tempo de vida de uma empresa, enquanto que perenidade se relaciona a sua continuidade sistemática, sua constância ou perpetuidade/eternidade. Conseguir tais pontos numa organização de modo que ela dure por décadas ou até centenas de anos é algo muito raro, pois é preciso, no mínimo, atentar-se para os seguintes fatores:

Bom plano e processos de sucessão

Ter um empreendedor que não se acomode, tenha visão de negócio e se empenhe para o sucesso de uma empresa é fundamental para que ela cresça e obtenha êxito. Todavia, é importante ter um bom plano e processo de sucessão que dê continuidade a uma boa gestão da organização.

Um grande problema nas organizações familiares, por exemplo, é a dificuldade em convencer os herdeiros a assumirem os postos de comando dos empreendimentos. Dessa forma, muitos negócios acabam desaparecendo quando seus fundadores se aposentam ou morrem.

É importante profissionalizar o negócio, estabelecendo um plano de sucessão muito antes da época de afastamento do fundador, para que quando isso ocorrer, já exista um candidato treinado para assumir a liderança. Isso também diminui a dependência contínua e exclusiva do proprietário, podendo até mesmo reduzir o peso de suas responsabilidades.

Cultura de inovação e reformulação constante

O mercado muda de tempos em tempos, sendo que ultimamente as transformações têm se intensificado devido ao rápido avanço tecnológico. Por isso, é preciso fomentar uma cultura de inovação e reformulação constante dentro da empresa, para que ela consiga se adaptar frequentemente às novas tendências, ondas e oportunidades que forem surgindo no mercado ao longo dos anos.

Crescimento contínuo

É preciso que a empresa cresça sempre, gerando resultados e se renovando enquanto se desafia constantemente. Quando o foco está no crescimento contínuo, acaba-se comprometendo toda a equipe com o futuro, de modo que novos objetivos são gerados para serem alcançados continuamente.

Institucionalização organizacional

A empresa precisa ir além de uma simples organização, implementando a institucionalização organizacional. Enquanto o primeiro termo abrange apenas aspectos mais estruturais, além de processos, objetivos, programas e metas, itens momentâneos e que a mantém em funcionamento, uma instituição se preocupa com sua missão na sociedade.

Além disso, a instituição almeja sua sobrevivência, sendo definida por padrões de comportamentos e processos que se preservam constantes e válidos para determinados grupos sociais ao longo do tempo.

Uma instituição incorpora normas, crenças, princípios e valores importantes para seus integrantes e para a sociedade, preocupando-se com ética, responsabilidade, visão e sua missão. Dessa forma, ela se sobrepõe aos desejos e interesses individuais, passando a representar um grupo, um modelo, e tendo uma cultura forte. Ao passar dos anos, isso contribui para a permanência da empresa, fomentando sua longevidade e perenidade.

Todo empreendedor ou gestor que almeja que sua empresa dure por décadas e até mais que isso, precisa estar atento aos pontos acima, além de disseminá-los junto a sua equipe para que todos trabalhem em busca desse objetivo.

Agora que você já sabe sobre o que fazer para fomentar a longevidade e perenidade empresarial, que tal compartilhar esse conteúdo nas suas redes sociais para que seus contatos também fiquem por dentro disso?

Dicas para o seu negócio

Os 4 principais cuidados jurídicos que toda empresa deve ter

Toda empresa, independentemente do seu porte e número de funcionários, deve adotar práticas de gestão que visem a proteção e o crescimento do negócio. Pensando nessa necessidade, elaboramos este artigo com alguns dos principais cuidados jurídicos que uma empresa deve ter para garantir sucesso e visibilidade no mercado. Acompanhe!

Constituição da empresa: 

A primeira preocupação jurídica de um empreendedor que está pensando em abrir um novo negócio, diz respeito ao nascimento e formalização da empresa. 

Esse é um dos principais cuidados jurídicos na longa jornada pelo mundo dos negócios. Estrategicamente, também se trata do momento mais importante para a empresa.

Durante a constituição, é necessário estudar para entender qual é o melhor formato que deve ser adotado, que levará em conta, por exemplo, se você terá sócios ou não, se a composição do capital social será divida em partes iguais ou “alguém colocará mais dinheiro” e ficará com mais cotas das empresa.

Você terá que decidir qual o tipo de empresa terá, quais serão as regras de administração do negócio e poderá inclusive já realizar um acordo de cotistas, caso, por exemplo, tenha mais sócios e já queira estabelecer regras gerais para que o negócio funcione sem grandes transtornos.

E claro que após preparar o contrato social, realizar o seu registro, o cadastro de pessoa jurídica, as inscrições estaduais, municipais e outros registros ou alvarás obrigatórios, dependendo da natureza da sua atividade empresarial.

Em resumo, para constituir uma empresa é essencial fazer uma séria de consultas que antecedem o registro, por isso é muito importante consultar um advogado que poderá orientar e instruir acerca das melhores escolhas jurídicas para a abertura da empresa.

Regime tributário

Ainda no momento da constituição, o empresário deverá definir qual será o regime tributário adotado pelo seu negócio. A escolha do regime de tributação pode fazer toda diferença para o sucesso de uma empresa, que deve evitar ao máximo qualquer tipo de problema fiscal vinculado às suas atividades.

A escolha deve ser feita conjuntamente com um advogado especializado ou um contador com experiência no assunto. Esses profissionais poderão dar todas as orientações por meio de uma análise minuciosa das suas características, objetivos  e estratégias de crescimento.

Registro da marca

Após constituir a empresa e definir o regime tributário, é hora de pensar na segurança da sua marca. Muitas pessoas negligenciam essa etapa e o negócio acaba sofrendo consequências desagradáveis, principalmente a longo prazo.

O registro de marca é muito importante pois é a segurança da identidade do negócio. É a proteção da expressão pela qual a sua empresa e os seus produtos serão identificados e conhecidos, tanto para os clientes, quanto para fornecedores e até mesmo para a concorrência. E ela catalisa todos os seus investimentos em divulgação, marketing, qualidade e diferenciais competitivos.

Esse registro deve ser feito em um órgão específico e exige um conhecimento técnico para lidar com as etapas do processo, por isso é imprescindível a assessoria de uma equipe especializada que irá realizar buscas detalhadas no banco de dados do INPI, além de acompanhar todo processo, respondendo tecnicamente em caso de impugnações ou impedimentos.

Lembre-se que a marca da sua empresa é a alma do seu negócio, portanto, preserve e proteja a sua identidade.

Contratos pactuados

Por fim, outro aspecto de grande importância no trato jurídico do seu negócio é o cuidado com os contratos pactuados. Alguns empreendedores estão repletos de contratos verbais em vigor, outros “economizam” utilizando modelos encontrados na internet. O que esses empreendedores não sabem, ou não imaginam, é que estão correndo o risco de ruir com seus negócios.

Um dos cuidados jurídicos essenciais para qualquer sociedade empresária é formalizar as relações que envolvem a empresa. Firme contratos com seus clientes e parceiros e busque a assessoria de profissionais qualificados que possam ajudar nessa tarefa. Dedicar esse cuidado com os seus contratos não é um gasto, mas sim um investimento na segurança do seu negócio.

É muito grande a responsabilidade de quem está a frente de um negócio, independente do seu tamanho e da sua capacidade de gerar lucros. Por isso é importante prestar atenção nos principais cuidados jurídicos citados e ficar atento às necessidades de uma empresa. Uma boa gestão jurídica é garantia de crescimento e sucesso para o seu empreendimento.

Gostou deste artigo? Então você também vai gostar de descobrir essas dicas de como fazer um plano de negócio para sua empresa. Até a próxima!