O plano de negócio é uma ferramenta muito utilizada pelos empreendedores que desejam fazer um planejamento eficiente antes da abertura de uma empresa, trazendo maior confiabilidade e direcionando as ações dos gestores.

Contudo, muito se engana quem pensa que essa técnica auxilia somente uma empresa antes de abrir as portas. Seu uso pode ser aplicado durante a operação, sendo muito comum nas etapas de antecedem o lançamento de um novo produto ou serviço.

Quer conhecer melhor o plano de negócios? Então confira o conteúdo que separamos para você com tudo o que precisa saber para montar um em sua empresa.

Iniciando o plano de negócio

Não há regras do que deve conter um plano de negócios, mas alguns pontos são necessários em qualquer plano, por mais simples e objetivo que seja. Ele deve trazer, por exemplo, a missão da empresa, os objetivos, os desafios, os obstáculos, o seu diferencial etc.

Portanto, o primeiro passo será reunir todas as suas ideais e organizá-las, para que o seu plano comece a ganhar corpo, separando tudo em tópicos.

Existem diversas ferramentas que podem também auxiliá-lo nesse caminho, como a análise SWOT, que é uma ferramenta utilizada para fazer análise de cenário ou ambiente.

Lembre-se que a intuição é importante, mas o estudo e o conhecimento de mercado são os grandes diferenciais.

Se você pretende lançar um produto novo, não se esqueça de já iniciar o processo de registro, pois após lancá-lo, não será mas possível patenteá-lo. Mas se você pretende, por exemplo, vender ou produzir um produto que já existe, seja no Brasil ou mesmo no exterior, você deve necessariamente checar se esse produto não é patenteado por outra empresa. Se isso ocorrer, fatalmente você terá um óbice muito grande, que poderá eventualmente ser vencido com um licenciamento ou mesmo com uma modificação substancial desse produto.

Análise de mercado

Essa etapa ajuda o empreendedor a conhecer como é o mercado em que a empresa vai atuar, os clientes, os concorrentes e os fornecedores.

Faça os seguintes questionamentos para compreender melhor o seu público: “quem está comprando?”, “o que está comprando?” e “por que está comprando?”. A partir desses dados, procure entender os hábitos de compra, renda, nível cultural e estilo de vida.

É fundamental que você compreenda quem são as principais ameaças do seu negócio, ou seja, os seus concorrentes. Você deve estudá-los, para entender onde atuam, seus preços, benefícios, características, forma de venda e os recursos que possuem

Leia também:  Qual é a importância do suporte jurídico para o registro de marca?

Os fornecedores são os parceiros responsáveis por abastecer seu empreendimento, seja com bens ou serviços. É muito importante que você tenha o cadastro individual, pesquise os preços e mantenha um bom relacionamento com cada um.

Não deixe de verificar a qualidade do fornecimento, reputação, condições de pagamento, localização, quantidade mínima e prazo de entrega, afinal de contas é você quem será o responsável perante a sua clientela.

Plano de marketing

O plano de marketing engloba a descrição dos produtos e serviços, a qualidade oferecida para o cliente, a demanda, diferenciação em relação a concorrência, os benefícios para o consumidor e o segmento de mercado que pretende atual.

Defina também a maneira como você chegará ao cliente, a forma de venda (direta ou indireta), como divulgar sua empresa e a política de preços.

Plano operacional

Como serão desenvolvidos seus produtos? Nessa etapa você deve procurar responder essa pergunta descrevendo o processo ideal e fazendo a análise de tempo, dos recursos humanos e insumos necessários.

O empresário deve conhecer qual é a capacidade máxima de produção em um determinado intervalo de tempo, assim como compreender qual é a quantidade mínima que deve ser produzido para que não tenha perdas durante o processo.

Por fim, tenha documentado qual será a forma de distribuição do bem ou serviço e a capacidade de reposição dos fornecedores. Essa análise vai indicar a necessidade de buscar mais parceiros e a forma de armazenamento.

Na medida em que se percebem oportunidades na expansão da empresa, é possível criar realizar uma comparação entre o previsto e o alcançado e corrigindo os desvios e desenvolver ações eficientes para lidar com as falhas.

Plano financeiro

O último passo da elaboração é averiguar o investimento que deve ser feito para que o negócio funcione conforme o planejamento. O investimento em pessoas, espaço físico e tecnologia entram essa etapa.

Deve ser estipulado o capital de giro, a capacidade de financiamento dos clientes (em casos de vendas a prazo), a disponibilidade para arcar com as despesas fixas e mapear as despesas variáveis.

Por fim, faça o calculo do ponto de equilíbrio, o prazo de retorno sobre o investimento, a lucratividade, a receita total, realize a análise de riscos e faça o registro das marcas empresa e proteja todos os seus produtos, através de patentes, registros de desenhos industriais. Se você tem um processo novo, ou criou um time de desenvolvimento de novos produtos e soluções, vai precisar ter contratos para se resguardar, fazendo a gestão de todo esse conhecimento.

Leia também:  Minha marca é realmente famosa? Saiba o que é uma marca de Alto Renome.

Vale ressaltar que o plano de negócios não impede que erros aconteçam. Ele só previne os riscos, prepara o empreendedor para possíveis imprevistos e contribui para que os riscos sejam calculados e as decisões sejam tomadas estrategicamente.

O que você achou do plano de negócio? Deixe um comentário abaixo nos contando o que mais gostou e como ele poderá contribuir para sua empresa.