Hoje vamos falar sobre autoconhecimento e transformação profissional e esse artigo já é um exemplo desse processo, no qual me insiro, pois ele é o primeiro texto que escrevo em toda minha vida 🙂

HABILIDADES: A BOLA DA VEZ 

De acordo com o relatório  produzido no Fórum Econômico Mundial em Davos, até 2020, 35% das habilidades mais demandadas para a maioria das ocupações deve mudar.

Habilidades como Pensamento crítico, capacidade analítica e de decisão, resolução de problemas complexos, criatividade, inteligência emocional, dentre outras competências chamadas de ‘soft skills’ são a bola da vez

NÃO NASCEMOS COM HABILIDADES. DESENVOLVEMOS. 

Diferentemente dos conhecimentos e habilidades valorizados até então, que eram em sua maioria ensinadas, as novas competências devem ser desenvolvidas ou cultivadas pela própria pessoa, ainda que com auxílio de ferramentas e especialistas.

Nesse contexto, o autoconhecimento e o autodesenvolvimento tomam maior importância, tanto para a evolução pessoal dos indivíduos quanto para o crescimento profissional.

Quanto mais nos conhecemos mais facilmente vamos conseguir nos desenvolver pessoal e profissionalmente, conhecendo nossa posição atual e o objetivo a ser alcançado, podendo, então, acompanhar nosso autodesenvolvimento no decorrer do tempo.

Para apoiar esse desenvolvimento de competências, a cada dia surgem novas ferramentas e técnicas, porém essa evolução depende muito mais da forma como nos dispomos e buscamos esta evolução do que efetivamente a adoção de determinada tecnologia.

Buscar conhecimento por meio de leituras, cursos, coaching ou auxílio de profissionais e são dicas valiosas e que podem nos ajudar nesse processo. A verdade é que temos que tomar a decisão e agir sem procrastinação para saírmos da zona de conforto e entrar cada vez mais na zona de expansão do saber.

INTELIGÊNCIA EMOCIONAL: O CARRO CHEFE DA TRANSFORMAÇÃO  

Para colocar em prática essa transformação pessoal, uma das competências fundamentais que precisamos é a já famosa e propalada inteligência emocional (o livro do Daniel Goleman é ótimo para quem quer entender mais), que envolve a aceitação nossa situação, o emprego consciente da vontade para mudar, sem culpas ou remorsos, mas também sem pressão maior do que podemos suportar.

Isso envolve assumir a responsabilidade dessa transformação, mantendo a vida equilibrada e saudável, tanto nos aspectos físico, emocional e espiritual. 

Este processo não acontece do dia para a noite, e também não é fácil ou simples, pois em muitos casos precisaremos aprender a desconstruir o que somos e o que sabemos, para então aprender essas novas competências, que para alguns podem ser mais simples e para outros muito mais complexas, dependendo da vivência e experiência de cada um. 

POR ISSO NÃO HÁ CARTILHA. MAS VOU DAR ALGUMAS DICAS 🙂

O importante é sair da zona de conforto, que é um processo doloroso, mas também prazeroso após a conquista do objetivo, quando olhamos para trás e percebermos a evolução alcançada.

Leia também:  10 marcas que podem sumir até 2015

Como apoio, podemos utilizar algumas técnicas para identificação do que mudar, como mudar e porque mudar. Separei alguns aspectos que são apontados por vários especialistas e que também me ajudam no meu processo:

  1. Autoconhecimento – Procurar identificar quais comportamentos estão em desalinhamento com o objetivo de transformação pessoal, nos âmbitos pessoal ou profissional, de forma honesta, sincera e sem autojulgamento.
  2. Aceitação – Aceitar a situação atual, no sentido de não ficar reclamando, buscando motivos ou culpados, mas sim com vistas a entender e aceitar o que precisa ser mudado.
  3. Ação – Motivação a ação da vontade para sair da situação atual em direção ao objetivo da mudança.
  4. Persistência de propósito – Não desistir das mudanças definidas por ser difícil ou lento o processo. Não é fácil, mas possível. Sem persistência a desistência toma lugar.
  5. Superação – Perceber e comemorar cada pequena superação, reforçando a vontade e o propósito.
  6. Medição – Todo dia, antes de dormir, avaliar as ações do dia, buscando as ações boas, que devem ser comemoradas, e as ações ainda a serem corrigidas, para que mentalmente seja definida a forma de ação na próxima oportunidade.

 VOCÊ PRECISA MUDAR. AGORA.

 A transformação pessoal é necessária a todos, em maior ou menor grau, visto que o mundo mudou e nós precisamos mudar também. Assim, nada de culpa ou racionalização, que podem levar à depressão, dificultando ainda mais a evolução que buscamos.

Todos temos poder infinito de transformação, mas o tempo deve ser aliado e não inimigo. Leva tempo, mas o resultado é  será incrível. Acredite..

Técnicas de meditação e mindfulness podem ser fortes aliados, pois nos ajudam a ficarmos conectados com nosso Eu interior e a percebermos melhor o que ocorre em nós e ao nosso redor.

EU MEDITO E ISSO ME AJUDA. MUITO 

Existem várias técnicas de meditação, sendo algumas tradicionais, que se iniciam com o silêncio e algum tipo de concentração ou contemplação, e há a meditação transcendental que é praticada a partir de um mantra mental, em dois períodos de aproximadamente 20 minutos por dia.

Algumas meditações tem certo cunho religioso ou esotérico, e cada um deve encontrar o que melhor  atende às suas necessidades.

Já o Mindfulness é uma técnica de concentração e foco no agora, ou seja, uma técnica que desenvolve ou aprimora nossa capacidade de vivenciar o presente plenamente, sem permitir interferências não produtivas.

Não existe a técnica certa ou errada, mas sim a que que temos maior afinidade. O que temos que levar em consideração é o efeito que a técnica traz em nosso comportamento. Se atingirmos o objetivo, a técnica é para nós. Se não, podemos tentar outra.

Leia também:  Aposentado já tem 30 patentes e quer inventar mais produtos: 'Vocação'

MINHA PROPOSTA  

Que tal saírmos da zona de conforto e buscar nossa evolução, desenvolvendo novas habilidades que possam contribuir com uma vida mais produtiva, de qualidade e na qual possamos construir algo relevante, um legado que nos faça sentir orgulho de quem somos? Vamos começar agora?